Fé e Vida

O Ressuscitado vive entre nós. Aleluia. Aleluia!

Na Vigília Pascal, durante o anúncio da Páscoa, ressoa a alegria pela gloriosa ressurreição do Senhor. Ele faz brilhar sua luz serena sobre a humanidade. É a luz de Cristo, que dissipa as trevas do coração e do espírito, que salva os seus filhos e filhas das trevas do pecado e da dor para consagrá-los ao amor do Pai e uni-los na comunhão dos santos.

Não poderia haver mensagem mais consoladora do que esta no momento em que vivemos dias tão difíceis em que nossa fé é provada. A luz de Deus brilhou em meio às trevas e nos deu o Filho amado para nos salvar.

Os discípulos no dia de Páscoa, "se alegraram ao ver o Senhor" (Jo 20,20). Eles nos recordam o paradoxo da vida cristã: a provação e a dor não são eliminadas neste mundo; de fato, nossas noites, ainda que obscurecidas pelo sofrimento diário, são iluminadas pela ressurreição do Senhor, que no mistério da noite de Páscoa “derrota o mal, lava nossos pecados, restitui a inocência aos pecadores, a alegria aos aflitos”. Como escreveu São Paulo VI na Exortação Apostólica “Alegrai-vos no Senhor”, “o cristão, sujeito às dificuldades da existência comum, não pode buscar seu caminho tateando na escuridão e nem mesmo ver a morte como o fim de suas esperanças". O anúncio da Páscoa canta um mistério realizado além das esperanças proféticas: no alegre anúncio da ressurreição, o castigo da humanidade é transfigurado, ao mesmo tempo em que a plenitude da alegria flui da vitória do Crucificado, do seu coração transpassado, do seu Corpo glorificado e ilumina as trevas e o mal.

O Tempo da Quaresma e os 50 dias da Páscoa devem ser vividos e compreendidos em sua unidade e referência mútua. Eles nos conduzem pela mão através do mistério da liberdade humana, do pecado, do amor de Deus, de sua misericórdia e redenção de Cristo, para experimentarmos a beleza de permanecer com o Senhor e com a luz transfigurante da ressurreição. O Batismo e a Eucaristia nos mergulham nessa realidade e nos dão a graça da conversão. A celebração litúrgica é sempre uma experiência que visa à conversão da vida que nos conduz ao jeito de pensar, comportar e ser do Senhor Jesus.

O Ressuscitado, como um farol, quer nos ajudar a descobrir nossa verdadeira dignidade de filhos e filhas de Deus, impulsionando todos a acreditar que a escuridão vai passar, já passou, esperanças novas hão de nascer para suprimir o medo e a incerteza. Por isso o Ressuscitado é o destino universal da humanidade, o ponto de referência comum na busca da justiça, igualdade, paz e realização de tudo o que é bom para a vida em comunidade. 

Vamos viver como ressuscitados e dar novo sentido às nossas vidas sob a lógica do Ressuscitado. Vamos, sim, transformar tudo ao nosso redor em espaço de ressurreição, de vida nova. “Não tenham medo. Procuram Jesus Nazareno? Ele ressuscitou. Não está aqui”!

Desejo a todos que esta Páscoa seja realmente um tempo de esperança nova para alargar o espaço de nossas vidas na construção de novas relações. Afinal somos criaturas renascidas pelo amor de Jesus que morreu e ressuscitou por nossa causa e vive para sempre e está pertinho de nós, nos consolando e nos sustentando nas dificuldades.

Feliz e Santa Páscoa!

Dom João Carlos Seneme, css

Bispo de Toledo