Catequese

Me chamaste Senhor? Aqui estou!

Em nosso dia a dia, constantemente recebemos várias formas de chamados. Os chamados do cotidiano são muitos: reuniões, serviços, tarefas, ajudas, festas, passeios. Nem sempre aceitamos. Mas há um chamado especial que precisamos pensar bem antes de dar uma resposta negativa. É o chamado de Deus. Afinal não recebemos a vida por acaso, mas para fazer dela uma realidade especial que deve nos conduzir a Ele. Portanto, o primeiro chamado que recebemos é o chamado à vida. Dotados de qualidades e aptidões, somos “chamados” a valorizar a vida que Deus a nós confiou.

Num segundo momento, somos chamados a viver a fé pelo Batismo. Deus nos confia uma missão junto à Igreja, a fim de que, como família de Deus, façamos acontecer a realização das promessas do Pai: “Serei para vós Pai, e sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-poderoso” (2Cor 6,18). Como todo filho deve obedecer ao pai, nós cristãos entendemos que a vocação é um pedido de Deus Pai, que nos chama para realizarmos Seu projeto de amor.

Ao buscarmos as Escrituras no sentido de entendermos melhor esse chamado, percebemos três personagens totalmente envolvidos com este processo: Deus, que é sujeito da vocação; as pessoas que recebem a vocação de Deus; e os outros, que são os beneficiados da vocação.

No Antigo Testamento muitas pessoas são chamadas por Deus e, nestes chamados, quase sempre cinco momentos são observados: circunstâncias em que Deus chama; a manifestação de Deus; a missão confiada; a prova da presença de Deus que o escolhido poderá mostrar ao povo; a confirmação da missão. “Não temas, porque estou contigo, não te apavores, pois Eu sou o teu Deus” (Is 41,10).

 

Maria Carmela Lovera

Coordenadora diocesana da Animação Bíblico-catequética

 

Gostou dessa reflexão? Quer saber mais?

Leia este artigo completo na edição impressa da Revista Cristo Rei (agosto/2019)